terça-feira, 15 de outubro de 2013

Minha primeira palestra em francês


Paris vista da Torre de Montparnasse
Nem para todo mundo é importante aprender línguas, mas para a maioria que já cruzou fronteiras é.

A primeira vez que você faz uma viagem internacional é inesquecível. A primeira vez que você pisa em um continente novo então! Oh lá lá! A Argentina foi o primeiro país que visitei. Eu e minha família passeávamos todos os anos por um novo estado brasileiro. Já um novo estado para mim era muito emocionante! Foi demais desbravar o Brasil! Na Argentina, eu fiquei totalmente boba só de ver um povo inteiro falando uma língua que não o português. Mas a primeira vez que pisei na Europa e depois na África e Ásia, foram outras sensações deliciosamente perturbantes!

Depois de muito passear pela Europa, uma hora você começa a ficar metida. “O castelo, a Catedral, a ponte, cansei”. E não é a mesma coisa conhecer a Alemanha, se você antes já visitou França, Áustria, Holanda e assim vai...

Só que esse sentimento incontrolável de amor pelo desconhecido volta quando você aprende uma língua nova.

Porque você não aprende só a língua. Para aprender a língua, você aprende também a cultura, a literatura, costumes, a política de um país. Isso te faz sentir um pouco mais como é ser uma pessoa que tem como língua nativa aquela que você está aprendendo...

Hoje eu fiz minha primeira palestra em francês. Fiz para minha turma mesmo de francês, e falei sobre Psicologia. Na minha turma tem gente pra lá de Bagdá – Moldávia, Bulgária, Hungria, Rússia, Portugal, Brasil, Inglaterra, Lituânia, China, Chile e por aí vai. Eu falava então em francês, como se aquilo fosse possível, como se não fosse ridículo, como se não fosse chinês.
Prato típico francês com queijo Camembert (tirada em Verdun)

E voilá! As pessoas me entenderam! Tanto que de uma palestra de 20 minutos foi para 2 horas. Conversamos sobre problemas amorosos, infidelidade, vícios etc. Cada um falando francês, mas apegados às regras de suas culturas.

Quando você fala outra língua e se percebe falando parece que você não é a mesma pessoa. Algo te possui e incontrolavelmente não te deixa mais. O tom de voz é outro, a forma de pensar é reformulada, as curiosidades são instigadas e o público muda.

Aprender uma língua te muda. Mudam seus comportamentos, seus pensamentos. Você é forçada a questionar sua cultura. Uma língua é cultura e por isso são outros comportamentos diferentes dos seus.

Ao parar de suar, de tanto falar francês olhei para minha experiência e pensei:

La vie est belle!

Você sentiu tudo isso ou mais ao aprender uma nova língua?

Cíntia
 
Gérardmer, vista de uma casinha deliciosa

4 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Sim, lembro bem desse sentimento quando o inglês "entrou" no meu cérebro, quando dá aquele "clic"...Foi quando fiz Wizard na minha cidade, antes mesmo de conhecer a internet, antes mesmo de conhecer qualquer coisa vejo agora hehe e lembro bem dessa sensaçao, de que o mundo estava se abrindo pra mim, lembro que comentei na época isso com minha mãe, mas ela não entendeu o que queria dizer. Muito legal lembrar isso Ci.

    ResponderExcluir
  3. Que super Camila! É bem isso mesmo! Dá um clic! hehehe É daí fica outro mundo, ao ver filmes em inglês, escutar música inglesa, americana. E pelas palavras mais usadas dá para se entender mais da cultura americana, a diferença entre a americana e a inglesa, etc.

    ResponderExcluir
  4. Decifrou meu sentimento em uma frase: "Quando você fala outra língua e se percebe falando parece que você não é a mesma pessoa."
    (e amei a foto de Paris!!!)

    ResponderExcluir