quinta-feira, 21 de novembro de 2013

Jantar indiano, intestino europeu



Há algo de indiano nas minhas veias. Não lembro a primeira vez que notei isso, mas reconheço no meu corpo o êxtase relacionado a algumas experiências indianas.  

Uma vez que viajei para a Turquia, vi na parte histórica da cidade de Antalya, o pessoal de Bollywood filmando. Eu abri a boca e paralisei vendo aquela cena linda e absurdamente normal de um casal de indianos típicos bollywoodianos se beijando a beira de ruínas antigas com uma música romântica ao fundo.
Foi o melhor que consegui, depois de enfrentar a segurança

A cozinha indiana então...  Sempre me desafiou. Chicken curry não deveria ser chamado Chicken Pimenta Power? Mesmo com a boca soltando fogo eu precisava continuar comendo aquela delícia...

Sempre fiz amigos indianos. E perto deles arrisco um sotaque amigo do tipo:

Aqui em Luxemburgo não foi diferente. Quem me deu a primeira oportunidade de trabalho foram indianos. Eles logo ficaram contentes comigo porque eu parecia very very very indiano. Eu os conquistei de cara quando falei de Aamir Khan, meu ator preferido indiano, e dos filmes dele que vi (que posso recomendar): 3 idiots, Como estrelas na Terra (se prepare para se matar de chorar), Lagaan e Talaash. Além dos outros filmes, sem o Aamir Khan: Meu nome é Khan (não esse Khan), Samsara (maravilhoso filme sobre as diferenças de responsabilidades que as mulheres e homens tem), Guzaarish (filme sobre o direito de decidir sobre sua vida, a eutanásia) e bem, sou suspeita, adoro mesmo um filme brega indiano. Só de eles dançarem já me animam. Mas esses que citei acima são realmente muito bons.

Aamir Khan
Bom, na hora os indianos sorriram muito e contaram das brasileiras que fazem fama em Bollywood, na terra em que loiras e siliconadas não tem vez.

Desde então trocamos informações culturais. Eles já me emprestaram um livro de contos infantis e vamos dizer que fiquei um pouco chocado. Assim como as canções de ninar brasileiras falam de assassinatos, sustos, medos, pancadaria, mortes, os contos indianos também...

Logo, nos tornamos amigos.

No último fim de semana eles me convidaram para uma janta. Convidaram meus amigos também, e foi uma noite muito interessante. Primeiro porque você se sente tão relax como na casa de um brasileiro (os legais né), então se espatifa no sofá, abre a geladeira, pega comida antes que o povo avisa se pode pegar, fala em inglês-hindi com o filhinho deles, etc.

Giselli Monteiro, brasileira em Bollywood
Os pratos foram deliciosos! Mas nem tudo eu entendi o que era, porque tinham tantos nomes indianos sem tradução que eu simplesmente abocanhei sem pensar muito. No início tinha uns bolinhos salgados tipo falafel que eu comi como se fossem o prato principal de tão gostosos. Torci para que tivesse ainda espaço no meu estômago. Daí depois chegou o prato principal – arroz (claro), naan (pão indiano), chicken curry (óbvio), lentilhas (feitas como nós fazemos, mas com muitos temperos e coisas boiando na panela), batata com ervas, berinjela com óleos exóticos (qualquer um que não seja de girassol ou olivas). De sobremesa teve chá de gengibre e tabule de manga. Ao fim da noite eu parecia o primeiro homem grávido da história do Grão-Ducado.

Durante a janta os indianos (tinha uma boa representação lá) lembraram-se de como é bom comer com a mão. Que o gosto da comida é outro. Então alguns começaram a comer com as mãos e o alemão que foi comigo ficou intrigado... Logo logo, os indianos exigiram que ele tentasse também e assim ele o fez. É uma técnica que exige alguns minutos para aprender. Imediatamente o francês que estava lá, esqueceu a sua educação nobre, largou o garfo e utilizou suas mãos. Eu fiquei bem quietinho escondido atrás do chicken curry, porque ainda não estou pronto para tal experiência.

Chicken Curry
No fim da noite cada um foi para sua casa com uma revolta nos intestinos. Eu imagino a felicidade de todos quando puderam estar num cômodo sozinhos para iniciar o tiroteio provocado por temperos desconhecidos.

Está marcado. Eu tenho que um dia ir para a Índia. Mas não como turista. Tenho que ter tempo para viver lá e talvez até tentar minha carreira no cinema. Depois que eu aprender a dominar meu intestino.

Quem é fã da Índia também?

Renan

3 comentários:

  1. mas com relação as castas? eles nao tem preconceito com estrangeiros? ou eles todos sao amigaveis?

    ResponderExcluir
  2. Essa é realmente uma amostra muito pequena de indianos para eu poder generalizar como eles são. Tem as castas, o status econômico da família, a região de onde eles vem, experiências internacionais, etc. Eu não tenho acesso a tudo isso, só a esse grupo de indianos que eu conheço, e gosto deles e me identifico com muitos de seus valores. Mas realmente não dá para generalizar.

    ResponderExcluir